terça-feira, 9 de setembro de 2014

Rede Municipal mostra crescimento nos resultados do IDEB 2013

Foi divulgado nesta semana o IDEB 2013. O índice reúne em um só indicador dois conceitos para a qualidade da educação: fluxo escolar e médias de desempenho nas avaliações. A rede municipal apresenta significativa melhoria.

Na Rede Municipal de Ensino de Bom Jardim, 6 escolas têm sido analisadas através do IDEB, tendo sido obtidos os seguintes resultados para a 4ª série / 5º ano:

Para ver esse quadro aumentado, clique sobre ele.
Obs:
*** Sem média na Prova Brasil 2013.
Os resultados marcados em verde referem-se ao Ideb que atingiu a meta.


Analisando o quadro observa-se que a meta projetada foi atingida em duas unidades de ensino em 2013 : Centro de Educação Amanda e Escola César Monteiro. Destaca-se que a Escola Moreira Franco, apesar de não ter atingido a meta projetada, apresentou significativo crescimento: de 1.6 em 2011 para 4.2 em 2013. Ressalte-se que esses dados se referem apenas a 4ª série / 5º ano.

Já para a 8ª série / 9º ano, a única escola da Rede Municipal nesta categoria é a Escola Municipal Governador Moreira Franco, que tem obtido os seguintes resultados:

Para ver esse quadro aumentado, clique sobre ele.
Diferentemente dos índices obtidos para a 4ª série / 5º ano, quando se analisa o segundo segmento do Ensino Fundamental (8a série / 9o ano), desde 2009 as metas projetadas foram atingidas e/ou superadas na única escola da Rede Municipal nessa categoria.

O que é o Ideb

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) em 2007 e representa a iniciativa pioneira de reunir em um só indicador dois conceitos igualmente importantes para a qualidade da educação: fluxo escolar e médias de desempenho nas avaliações. Ele agrega ao enfoque pedagógico dos resultados das avaliações em larga escala do Inep a possibilidade de resultados sintéticos, facilmente assimiláveis, e que permitem traçar metas de qualidade educacional para os sistemas. O indicador é calculado a partir dos dados sobre aprovação escolar, obtidos no Censo Escolar, e médias de desempenho nas avaliações do Inep, o Saeb – para as unidades da federação e para o país, e a Prova Brasil – para os municípios.


O que são as metas

O Ideb é mais que um indicador estatístico. Ele nasceu como condutor de política pública pela melhoria da qualidade da educação, tanto no âmbito nacional, como nos estados, municípios e escolas. Sua composição possibilita não apenas o diagnóstico atualizado da situação educacional em todas essas esferas, mas também a projeção de metas individuais intermediárias rumo ao incremento da qualidade do ensino.

As metas são exatamente isso: o caminho traçado de evolução individual dos índices, para que o Brasil atinja o patamar educacional que têm hoje a média dos países da OCDE. Em termos numéricos, isso significa evoluir da média nacional 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do ensino fundamental.Foi o Inep quem estabeleceu parâmetros técnicos de comparação entre a qualidade dos sistemas de ensino do Brasil com os de países da OCDE. Ou seja, a referência à OCDE é parâmetro técnico em busca da qualidade, e não um critério externo às políticas públicas educacionais desenvolvidas pelo MEC, no âmbito da realidade brasileira.

Metas são diferenciadas para cada rede e escola. As metas são diferenciadas para todos, e são apresentadas bienalmente de 2007 a 2021. Estados, municípios e escolas deverão melhorar seus índices e contribuir, em conjunto, para que o Brasil chegue à meta 6,0 em 2022, ano do bicentenário da Independência. Mesmo quem já tem um bom índice deve continuar a evoluir. No caso das redes e escolas com maior dificuldade, as metas prevêem um esforço mais concentrado, para que elas melhorem mais rapidamente, diminuindo assim a desigualdade entre esferas. O Ministério da Educação prevê apoio específico para reduzir essa desigualdade.

0 comentários:

Postar um comentário