terça-feira, 7 de outubro de 2014

Ferramenta de mediação de conflitos é apresentada na escola Antônio Gomes

Na manhã de 07 de outubro de 2014, a Escola Municipal Antônio  Gomes de Azevedo (situada no Bairro de Fátima, em São José do Ribeirão) recebeu equipe da Secretaria Municipal de Educação-SME que apresentou aos professores uma ferramenta de mediação de conflitos.

Momento da dinâmica em que valores expressos por palavras e objetos pessoais
representando cada participante são colocados no centro do grupo.
Foto: Inês Raquel.
Participantes dos trabalhos posando para fotografia. Foto: Inês Raquel.
As gestoras Érica e Thereza Marta presenteando
a psicóloga Inês Raquel. Cada participante recebeu
um presente. Foto: Inês Raquel.
Parte integrante das comemorações ao mês do professor, e atendendo pedido da direção da escola, foi oportunizado aos professores o contato com os "processos circulares", ferramenta de mediação de conflitos que preconiza o estreitamento  dos vínculos entre pessoas de um grupo de convívio. Essa ferramenta foca o diálogo, comunicação verbal não violenta. A atividade foi conduzida pela psicopedagoga da SME, Inês Raquel Z. Guzzo.

O trabalho, realizado em dia não letivo em virtude da realização do conselho de classe, foi precedido de café da manhã, servido às 7h30min. Por volta das 8h se iniciaram os trabalhos, que foram finalizados em torno das 10h. Encerrando os trabalhos do dia foi servido almoço aos professores, direção e equipe técnica da SME.


O que são os processos circulares

Nossos ancestrais se reuniam em roda à volta do fogo ou com a família em torno da mesa da cozinha. Nos dias de hoje não tem sido tarefa fácil construir espaços de empatia e respeito para resolver conflitos e chegar a consensos. A metodologia dos processos circulares remonta à antiga tradição dos nativos americanos que usavam um bastão da fala para estruturar seus diálogos, e recebe o aporte dos conceitos contemporâneos de democracia, liderança e responsabilidade partilhadas. O círculo de construção de paz, quando implementado por profissionais treinados, é um processo que permite plena expressão das emoções numa atmosfera de respeito. Ele promove a escuta qualificada e o empoderamento de todos os participantes.

Os processos circulares vêm sendo usados no sistema judicial e, nesse contexto, o círculo envolve todas as partes afetadas a fim de participarem na decisão de como corrigir a situação depois de um crime. O processo identifica os danos e necessidades de todas as partes, determinando como tais necessidades serão atendidas. Nas escolas é aplicado para criar um ambiente positivo em sala de aula e resolver problemas de comportamento. Nos locais de trabalho oferece metodologia eficaz para lidar com conflitos e chegar a consensos, no serviço social, para desenvolver sistemas de apoio mais orgânicos, capazes de efetivamente ajudar pessoas que lutam por encontrar um sentido para suas vidas.

Logo se percebeu que esses círculos podiam ser úteis também para prevenir animosidades, visto que aumentam o senso de interligação e humanidade partilhada. Ao utilizar o círculo como ferramenta para criar um senso comunitário em qualquer grupo, diminui-se a probabilidade de mal-entendidos que e podem escalar, levando a conflitos ou delitos. Além disso, os processos circulares promovem restabelecimento e criam possibilidade de romper ciclos viciosos, nos quais vítimas se tornam perpetradores.

0 comentários:

Postar um comentário